comnazare

espiritualidades


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Virtudes para um mundo melhor Frei Bento Domingues - 13-03-2011

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Virtudes para um mundo melhor
Frei Bento Domingues - 13-03-2011
Diz-se, com frequência, que a raiz da crise é a falta de ética . Timothy Radcliffe - que foi mestre-geral da Ordem Dominicana -, num livro que recebeu o Prémio Michael Ramsey, agora, traduzido em português (1), cita um sermão de Santo Agostinho (354-430) que parece dirigido a esta Quaresma de 2011. Dizeis todos: "Os tempos estão perturbados, os tempos estão difíceis, são tempos desgraçados." Nós diríamos: eram e são! Agostinho, porém, não recorre a bodes expiatórios para explicar os males que nos afligem: não são os outros e só os outros os verdadeiros culpados da nossa situação e não são eles os únicos a ter de mudar.

É evidente que há coisas a mudar que não dependem de nós, mas sabemos que, se nós próprios não mudarmos a partir de dentro, se não nos convertermos, seremos nós mais um veneno na sociedade e na Igreja.

Não basta uma mudança para alguns dias, uns repentes de generosidade. Diz, por isso, o santo de Hipona: "Vivei uma vida cheia de bondade e mudareis os tempos."

Não é este o discurso apropriado a quem gosta de ter sempre, com razão ou sem ela, alguma coisa de que se queixar. É por isso, aliás, que os meios de comunicação social, com a exposição permanente da desgraça e a colecção diária de lamentações, julgam manter e alargar a sua clientela.

2. Diz-se, com frequência, que a raiz da crise é a falta de ética. Não se pode dizer, no entanto, que haja falta de conversa, de livros e debates sobre ética. Pelo contrário, vivemos na sua banalização, não por excesso de virtude, mas precisamente, pela sua ausência. A ética é tanto mais evocada quanto menos é vivida. Quando começou a crise, a invocação da falta de ética tornou-se a forma de evitar a análise e a avaliação dos impulsos, do percurso e do rumo da nossa civilização. Não é saudável continuar a confundir a vida ética com o discurso trivial sobre ela.

Uma outra forma de falar da falta de ética é dizer que já não há valores. Ter preferências é valorizar. Podemos valorizar bem ou mal, dar importância àquilo que, depois, descobrimos que não presta e desprezar o que, depois, descobrimos que era essencial. Por outro lado, quando não pesamos, cuidadosamente, os prós e os contras das nossas preferências, expomo-nos a não encontrar a boa medida para as nossas opções e decisões. Valores existem, mas o que vale para uns não vale para outros e nem sempre vale da mesma maneira. Ao ser livre, o ser humano não só pode escolher, como tem de rectificar os seus juízos e tornar boa a sua vontade para encontrar um caminho verdadeiramente humano.

Somos potencialmente bons e maus nos nossos comportamentos e nas nossas decisões. Somos seres não acabados que precisam de se robustecer no bem para ter energias para resistir ao mal.

3. A noção clássica de virtude dizia que ela torna bons os que a possuem e boas as suas acções. Nessa linha, uma existência guiada pela prática do bem deveria dar sabor e verdadeiro prazer à vida. Ora, quando se falava de virtude, dizia-se o contrário: o que dá prazer ou é pecado, ou faz mal. O prestígio da ética transitou para a noção de dever. O imperativo ético de Kant, simplificado, pode traduzir-se assim: age de tal forma que o teu agir se possa tornar regra universal.

O padre Albert Plé (1910-1988), um dominicano francês, fundador do Supplément de la Vie Spirituelle (Revue d"éthique et de théologie morale), escreveu um famoso livro, Por Dever ou por Prazer? (2), concluindo: "Diz-me onde encontras - ou sonhas encontrar - o teu prazer de viver e dir-te-ei quem tu és."

O filósofo Cocote-Sponville retomou o mesmo caminho com o Pequeno Tratado das Grandes Virtudes, que, para ele, são muitas: polidez, fidelidade, prudência, temperança, coragem, justiça, generosidade, compaixão, misericórdia, gratidão, humildade, simplicidade, tolerância, pureza, doçura, boa-fé, humor e amor (3). Inscreveu-se numa tradição que remonta a Aristóteles.

Leonardo Boff, que continua a ampliar as exigências e as dimensões da ética e da teologia da libertação, chegou à conclusão de que, para mudar o mundo, não basta o protesto e o desejo. Para participar na mudança, é preciso descobrir e equipar-se com as Virtudes para Outro Mundo Possível (4). Sem elas, tudo ficará na mesma, depois dos êxitos aparentes das grandes manifestações.

Ao expor, no 3.° Fórum Espiritual Mundial, o conteúdo dessa obra, começou por alguns lugares-comuns. Nunca, como agora, o destino pede uma mudança de rumo. O planeta Terra é a nossa casa. Ele e nós estamos em risco. Precisamos de um novo olhar que rasgue o horizonte de uma esperança mais plena do que a da nossa actual cultura. Precisamos de uma ética que imponha novos relacionamentos com a natureza. Daí a importância do Fórum Espiritual Mundial que visa suscitar a espiritualidade e o respeito pela diversidade. O erro da humanidade é o etnocentrismo. Quando fomos criados, a Terra já estava pronta e há comportamentos sociais que dizimam o planeta. É preciso passar da idade infantil no que se refere à responsabilidade para com a Terra. Importa incorporar o que o budismo nos trouxe: a ética da compaixão para com toda a natureza, connosco e com o próximo. Esta obra é um programa e um instrumento de trabalho.

A Quaresma não é para repetir que vivemos em tempos desgraçados. É para curar as nossas raízes e acolher o gosto de fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem.

(1) Ser Cristão para quê?, Paulinas, Lisboa, 2011.

(2) Paulinas, São Paulo, 1984

(3) Presença, Lisboa, 1995

(4) 3 volumes, Vozes, Petrópolis, 2006

Ver perfil do usuário

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum