comnazare

espiritualidades


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

A Revolução do Justo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 A Revolução do Justo em Seg 21 Abr - 6:26

É necessária uma revolução na humanidade, são os gritos mudos de uma humanidade sofrida que a reclama. Olhando esta humanidade podemos fácilmente encontrar miséria e tristeza, e uma injustiça profunda. Enquanto que alguns vivem a encher os bolsos julgando estar no muito ter a felicidade, outros continuam a verter lágrimas de miséria. Ainda há os que vivem remediados mas que não são felizes porque queriam mais, queriam o que os mais poderosos têm... É necessária uma revolta, mas uma revolta pela violência só mudará o rosto da injustiça pois o que realmente importa mudar é o interior de cada ser humano. Assim a revolução que salva a humanidade só pode ser uma revolução de paz no interior de cada ser humano, ajudando-o a ser melhor, a pensar mais nos outros, a não viver tão preocupado com o seu futuro neste mundo que é tão curto e que passa tão rapidamente.

É necessária uma revolução interior, na mudança de prioridades pessoais, na mudança de uma procura desenfreada de sentimento de segurança, para uma procura da construção do bem comum. Não interessa mudar os cargos, os postos e as posições, a revolução que aqui vos trago é uma revolução que só dará resultado se fizer sentido no interior de cada ser humano, na mudança de mentalidades, na procura de outros ideais assentes no diálogo e no primordial objectivo do bem de todos.

Agora digo-te que esta revolução está em curso, sempre teve, é tão velha quanto a relação de Deus com o Homem pois é desejo de Deus que o homem seja feliz. trata-se de uma revolução que teve muitos pontos altos na vida dos homens, sendo um dos mais altos a vinda de Jesus a este mundo, acreditando ou não que Ele é a encarnação do próprio Deus, é indiscutivél que foi um dos marcos mais importantes na história da humanidade. Jesus falou abertamente desta revolução, chamou-nos a atenção para que só ocorrendo esta revolução o homem podia ser digno de ser divino e de ser feliz. Jesus não queria que nos menosprezássemos, Jesus queria sim que nos elevássemos, que mudássemos o nosso interior, as nossas prioridades, Jesus quer a nossa divinização, só que o caminho que nos aponta é contrário à lei do mundo que conhecemos, assente, sobretudo, na procura de segurança. Jesus mostrou-nos que é preciso ir mais além no nosso interior do procurar unicamente a nossa felicidade e a nossa segurança. Jesus aponta-nos um caminho interior de conversão que não é fácil, que implica possuir-se valores mais altos e muito mais além do nosso egoismo.

A revolução que Deus quer instaurar em cada homem é que só o amor interessa, que só o amor incondicional é verdadeiramente justo porque procura o bem de todos sem outras intenções do que espalhar o perfume de uma nova primavera pelo mundo.

Hoje, tu que me lês podes aderir a esta revolução e fica desde já a saber que o primeiro campo de batalha vai ser dentro de ti, na mudança da TUA vida, do TEU interior, é aí que estará o principal campo da tua batalha se quiseres aderir a esta revolução, e só quando tiveres resultados para apresentares poderás partir para lutas mais fora do teu interior, só quando te libertares no teu interior poderás anunciar ao mundo a tua alegria e a paz que descobristes. Procura revolucionar o teu interior, não se dê o caso de que lutando por um mundo melhor derrubes poderosos para apenas ocupares o seu lugar e tudo ficar na mesma. Tens que viver a revolução e tornares-te luz desta revolução, semeando o fogo do amor pelo mundo...

A revolução começa dentro de ti, não esperes que venha de fora...

Evangelho segundo S. Mateus 5,1-16:

E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
E, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo:
Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;
Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;
Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;
Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;
Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus;
Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;
Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.
Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;
Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.
Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.

Ver perfil do usuário

2 Parte II em Seg 28 Abr - 3:46

Jesus voltou-se e, notando que eles o seguiam, perguntou-lhes: «Que pretendeis?» Eles disseram-lhe. « Rabi - que quer dizer Mestre - onde moras?» Ele respondeu-lhes: «Vinde e vereis.» Foram, pois, e viram onde morava e ficaram com Ele nesse dia. Era ao cair da tarde. (Jo 1, 38-39)

Começo hoje com este excerto de São João que nos mostra a adesão dos discipulos a Cristo. Os discipulos estavam fascinados com este Cristo, que lhe tocava o fundo das almas, neles a revolução do Justo estava a começar a entrar. Afinal que Homem era aquele, que falava que era preciso criar o Homem Novo. Os discipulos sentiram que estavam ao pé da verdade, era muito consolador a presença deste Cristo nas suas vidas e a sua curiosidade acabou por ser mais forte, eles queriam saber quem era aquele homem, de onde vinha tanta autoridade, Sentiam que a verdadeira vida estava ali e seguiram-no. Esta pequena passagem contém um grande sentido teológico, enquanto não conhecemos Jesus e a nossa ignorância fala mais alto não nos sentimos atraídos por Ele mas quando começamos a sentir que existe ali algo de muito especial, aguçamos os sentidos e torna-se inevitável que queiramos saber um pouco mais do grande plano deste homem para a humanidade, sentimos que ali podemos encontrar um sentido para a nossa vida e a vontade de conhecê-lO começa a despontar na nossa alma.

É então que Jesus pergunta o que eles querem, Jesus sabia mas fez a pergunta para que fossem eles a aderirem por livre vontade, é que Jesus não nos obriga a segui-lO, deixa-nos livres para que possamos aderir a partir da nossa própria vontade. Eles responderam com outra pergunta, onde moras? Jesus não perdeu tempo a explicar, porque para O conhecermos verdadeiramente temos de O experimentar, temos de O conhecer, Jesus não perde tempo com discursos politicos para cativar os seus discipulos, Ele apenas mostra a sua vida e o seu modo de viver, daí a sua resposta "Vinde e vereis". E os discipulos foram, seguiram-nO, mergulharam intensamente na sua vida, no seu amor, na sua paz e só assim na experiência de vida com aquele nazareno o podiam ficar realmente a conhecê-lO. Estas palavras de Jesus continuam a ecoar para cada novo discipulo que sente curiosidade nEle, vinde e vereis.

Não podemos ficar do lado de fora para conhecer o Mestre, do lado de fora não podemos sentir a grande revolução que Jesus nos quer ofertar, do lado de fora não nos entregamos e não podemos sentir Deus pois Deus é amor, é entrega e só assim O poderemos conhecer, entregando-nos de alma e coração. Pode acontecer que depois O abandones, pode ser que acabes por optar por outros caminhos, mas só poderás dizer que O conheces penetrando no seu mistério profundo. Depois até podes querer abandoná-lo mas se não O procuraste e se não ficastes com Ele não podes dizer que O conheceste verdadeiramente. Daí que acho que todos deveriamos passar por uma experiência de catequese, pelo menos para percebermos melhor quem é este Jesus, que projecto quer Ele para a humanidade.

Ver perfil do usuário

3 Parte III em Seg 28 Abr - 3:47

A revolução de Cristo visa proporcionar uma vida qualitativa para cada ser humano, para tal será necessário mudarmos as prioridades mais profundas da nossa alma.

"Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus" (S. Mateus 5,1-16)

A lógica que conhecemos aponta-nos para temermos o futuro e para tentar a todo o custo ter uma vida boa, facto que nos faz procurar a riqueza e que nesta busca nos pode levar a procurar unico consolo nos bens materiais. Não que esta preocupação do ter não seja válida mas sim que somos chamados a muito mais do que isto. Bem aventurados os pobres de espirito porque não são escravos desta incessante procura de segurança, é a desconcertante nova de Cristo. Esta pequena frase das Bem Aventuranças aponta-nos duas dimensões de felicidade, a pessoal pois não seremos escravos desta preocupação desenfreada de riqueza e a social, pois agindo sem ter a prioridade da riqueza estaremos a agir no mundo de forma justa, procurando o bem de todos e não apenas o nosso unico bem.

Esta é a base da boa nova de Jesus, da revolução que Jesus quer instaurar. No fundo de nós Cristo chama-nos para não vivermos tanto a preocupação de consolo nas coisas deste mundo como condição para abraçar uma verdade profunda. Aos nossos olhos habituados ao mundo esta prioridade não faz sentido, mas aponta-nos o caminho para a procura de um sentido existêncial muito para além do que conhecemos. É aqui que entra o Reino dos Céus, um Reino diferente que assenta mais num estado de Espírito, uma leveza enorme que nasce de um profundo sentimento de tranquilidade e de paz. É esta profunda paz que Cristo quer trazer aos corações humanos e que só pode vir de Deus, não das seguranças que queremos comprar a todo o custo neste mundo, por isso sorte daqueles que não se preocupam em primeiro lugar com os consolos deste mundo pois serão totalmente livres no seu interior para abraçar a verdade divina. Não há nada melhor na vida de que o abraço consolador de Deus que é Pai e nada nos pode separar deste abraço a não ser nós próprios que continuamos a preferir querer ser escravos.

Se estás a pensar que a vida é muito curta e que não acreditas na vida depois da morte, pensa ao menos que uma consciência tranquila é a chave de uma paz mais profunda, cada ser humano não se pode sentir totalmente tranquilo sabendo que irmãos seus sofrem e é realmente no agir mais de acordo com o bem comum, numa óptica de amor que está o segredo da paz das pazes, uma paz profunda, uma consciência totalmente tranquila. Podemos enganarmo-nos a nós próprio dizendo que já possuimos a paz nas coisas deste mundo mas seria preciso vivenciarmos a a paz de Deus para percebermos o quanto estamos enganados, uma paz que o Pai permite que sintamos mesmo sem acreditarmos nEle. Além disso esta pobreza de Espírito proclamada por Jesus é a chave para uma sociedade mais justa, mais equitativa, onde cada um tem o que realmente precisa.

No fundo de ti és chamado a mudar as tuas prioridades, de forma a que a tua vida seja realmente uma luz desta revolução que há tanto tempo paira no ar... Bem Aventurados os pobres de Espirito, bem aventurado quem não é escravo da procura desenfreada de segurança, segurança financeira, segurança prazerosa, segurança afectiva em pequena escala. Jesus chama-nos a uma segurança afectiva numa escala mutio mais profunda, num sentido profundo que a nossa passagem neste mundo não é em vão e que realmente fomos uteis, que a nossa vida serviu para alguma coisa, ensinando-nos que só amando muito poderemos encontrar um tesouro dentro de nós:

"Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração." Mateus 6:21

"Também o reino dos céus é semelhante a um tesouro escondido num campo, que um homem achou e escondeu; e, pelo gozo dele, vai, vende tudo quanto tem, e compra aquele campo." Mateus 13:44

Ver perfil do usuário

4 Parte IV em Ter 29 Abr - 3:52

Assim a revolução que Jesus quer trazer não é só uma revolução para a humanidade num todo mas sim para cada ser humano individualmente, Jesus pretende que cada homem alcance niveis superiores de perfeição e diz-nos que quando concretizarmos estes objectivos sentiremos então a verdadeira felicidade, uma alegria pacificadora.

Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;(S. Mateus 5,1-16)

Na lógica de Deus o mundo é uma escola onde cada ser humano é chamado a procurar por si só a sua verdadeira essência divina, portanto só se encontrando esta verdadeira essência diviina poderemos alcançar o máximo sentido da nossa existência. Por outro lado divinizando a humanidade estaremos a caminhar para uma sociedade mais perfeita, mais justa, daí a urgência nesta revolta de Cristo, uma revolução de paz assente na mudança de consciência.

Assim a felicidade que queres encontrar a todo o custo, aquela que realmente te trará paz e tranquilidade é conseguires divinizar-te, é conseguires ser melhor ser humano, é esta paz de que Jesus nos fala:

"Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." João 14:27

Nós seres humanos no meio de tanta coisa bela deste mundo fácilmente achamos que tendo isto ou aquilo, fazendo isto ou o outro seremos felizes mas Jesus fala-nos de que que a maior das felicidades está na transformação interior da tua alma. É aqui que entra o sofrimento e a dor, a vida é feita de bons e de maus momentos para que o homem não pare de buscar, de procurar a felicidade. Nesta dinâmica está o Espirito que nos faz procurar sempre mais fundo, é que a felicidade que Jesus nos aponta está dentro de nós e não nas coisas do mundo.

«Deus criou espaços cheios de água para que os homens possam viver e espaços sem água para que tenham sede; e assim criou o deserto: um espaço com e sem água, para que os homens encontrem a alma.»
Provérbio Touareg

Assim Jesus proclama felizes os que choram, porque na sua dor não estão tão escravizados pelas coisas boas da vida e têm a alma mais aberta a receber a graça das graças, a sua divinização. Jesus alerta-nos que a saida do nosso ego centrismo não é um processo fácil e que até se pode tornar deveras doloroso mas o caminho faz-se caminhando e o fim ultimo desta jornada é o alcançe de uma maturidade profunda assente nos valores do amor. Tudo na vida se torna pretexto para que sigamos o nosso caminho para a maturidade das maturidades e este é, segundo Jesus, o principal objectivo da nossa existência. Tal e qual como é importante para uma criança as frustrações para o seu crescimento e amadurecimento, assim também o será para os adultos, para que eles encontrem o verdadeiro sentido das suas vidas.

À maturidade das maturidades Jesus chama santidade, é aqui que entra o ser santo, uma palavra tão banalizada que já quase caiu no ridiculo. Na nossa condição humana deste mundo poderemos não conseguir ser totalmente santos mas é preciso que caminhemos com este propósito se queremos realmente sermos felizes, é que é no ser santo que se encontra a felicidade, a maturidade das maturidades.

Nesta lógica de que somos chamados a uma verdade acima de tudo no mundo, faz todo o sentido a existência do sofrimento que se torna fogo ardente das nossas escravidões, por isso se diz que o sofrimento purifica... Só que mesmo sabendo isto, o sofrimento custa e será inevitável o choro e no meio dele poderemos pensar que não há sentido na vida, mas Jesus consola-nos chamando de felizes os que sofrem porque serão consolados, porque encontrarão a maturidade das maturidades.

"Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." João 16:33

(continua)

Ver perfil do usuário

5 Parte V em Sex 2 Maio - 3:56

O sentido do Cristão é seguir os passos de Jesus para uma transformação interior que lhe dará muita paz. Cristo convida-nos a encontrar a felicidade ensinando-nos que a vida é muito mais e que a morte é apenas mais uma fase da vida. Por esta lógica somos convidados a sermos felizes, aqui e agora, a aproveitar a vida para alcançarmos uma maturidade muito maior. Mas não é fácil permanecer neste ideal, sobretudo nos tempos que correm em que se dá tanto valor ao supérfulo, ao consomismo, ao comodismo e quem o fizer arrisca-se a parecer tolo aos olhos do mundo, um infeliz. Sendo cristãos nem sempre temos a alegria que nos espera presente porque o ruído do mundo cheio de alegrias relativas fazem-nos ficar de pé atrás, às vezes sentimo-nos sós neste caminho, desamparados e, principalmente nas tribulações poderemos pensar que somos orfãos.

Evangelho segundo S. João 16,20-23.

"Em verdade, em verdade vos digo: haveis de chorar e lamentar-vos, ao passo que o mundo há-de gozar. Vós haveis de estar tristes, mas a vossa tristeza há-de converter-se em alegria! A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, porque chegou a sua hora; mas, quando deu à luz o menino, já não se lembra da sua aflição, com a alegria de ter vindo um homem ao mundo. Também vós vos sentis agora tristes, mas Eu hei-de ver-vos de novo! Então, o vosso coração há-de alegrar-se e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria. Nesse dia, já não me perguntareis nada. Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes alguma coisa ao Pai em meu nome, Ele vo-la dará."

Assim as nossas dores também nos são uteis, tal e qual como as alegrias, a dor é imprescidivel num bom crescimento e é a um "Ser" mais completo a que somos chamados, porque o que realmente interessa é alcançarmos a felicidade das felicidades, o sentido total, o amor pleno. No fundo aquilo que somos chamados é a sermos divinos.

À medida que nos formos construindo interiormente iremos alcançando uma paz interior que nos permitirá abrir os olhos para o unico caminho para um mundo melhor que seja um mundo edificante da pessoa sem injustiças.

"Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra" ( S. Mateus 5,1-16)

À medida que formos crescendo interiormente e que deixarmos a revolução do Justo ocorrer dentro de nós, passamos a ver o mundo de maneira diferente, vimos felicidade onde os outros só vêem tristeza e vimos desconstrução onde os outros pensam estar o ser feliz, mas sobretudo passamos a perceber os enganos, as tristerzas e as dores que povoam os seres humanos. Já não olhamos com ódio e o nosso objectivo de luta está na edificação do outro. Não significa este ser manso que nos calemos perante a injustiça, mas que sim que abraçamos uma forma de luta assente na paz e no tocar as consciências. Se atacarmos com violência estamos a dar mais pretextos aos outros para serem piores, mas se atacarmos com o propósito de edificar o outro estaremos a obrigá-lo a olhar o seu lado negro e menos bom. E aqui encontramos outro foco de dor e sofrimento, o reconhecimento que temos zonas muito feias dentro de nós, este é talvez o maior dos sofrimentos porque implica o não gostarmos de algumas partes de nós e o orgulho não nos deixa mudar, felizes os que encararem o seu lado negro e sofrendo por ele existir o consigam mudar.

O propósito do manso é este de levar-se a si próprio e aos outros a reconhecerem o pecado que não os deixa ser livres para o amor... A mais precisa das revoluções...

Ver perfil do usuário

6 Parte VI em Ter 6 Maio - 8:17

"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos" Mateus 5:6

Aderir a esta revolução implica querer tomar consciência do caminho para uma sociedade mais próxima da perfeição. Embora saibamos que a sociedade perfeita é utopia, temos consciência de que se nada for feito será muito pior para todos. Assim Cristo aponta-nos uma nova maneira de viver assente na busca da felicidade completa e uma das consequências é o querermos o melhor para nós e para os outros e o melhor é a alegria de uma vida vivida pelo amor. Ter fome e sede de justiça é procurar ser recto de forma a que sejamos membros activos na construção de um mundo melhor para todos, onde as consciências permitam reconhecer que existe um outro que precisa de nós. Cada ser humano não se pode considerar completamente em paz sabendo que no mundo ainda muita gente sofre perdida na escuridão da vida, a consciência deste facto serve para que não baixemos os braços e para que lutemos o bom combate.

O cristão procura viver de acordo com a justiça, procura, primeiro de tudo, ser uma fonte de justiça no mundo com o propósito de que todos possam aceder a este nivel superior de vida que é a vida em comunhão com Deus que é amor. O cristão tem consciência de que este mundo não é justo mas que se todos vivessem de acordo com os ensinamentos do Mestre de Nazaré tudo seria bem melhor para todos. Bem aventurados os que entram nesta esfera da consciência e que procuram orientar a sua vida de acordo com a justiça, pois estarão a alcançar grandes niveis de liberdade face às coisas do mundo, lutando do lado da verdade e construindo o reino dos céus no seu tempo.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia;

Neste caminho e neste mundo ninguém pode dizer-se com uma vida sem mácula, ninguém é perfeito, só é perfeito o Pai que está nos céus. Na nossa vida cristã temos o propósito de alcançarmos a santidade mas temos de ter consciência das dificuldades e dos enganos deste mundo, até porque de certeza que já nos apanhámos em queda. Assim antes de partir a querer julgar o outro, devemos pensar que se o outro agiu mal é porque ainda não vive perfeitamente a nova vida anunciada por Cristo, devemos julgar os actos mas não as pessoas. Assim para que o homem novo surja temos que aprender a construir e a edificar no amor e fazer isto implica aprender a perdoar, a perdoarmo-nos a nós próprios pelo nosso pecado, a perdoarmos os nossos irmãos que cairam em falta e até a perdoar Deus quando sentirmos que a nossa vida está a ser uma infelicidade. Para isto é preciso ter bem presente que o que importa é chegar a este resultado de um reino de amor e para que isso aconteça temos que aprender e ensinar a amar, pois o amor é a cura de todos os males. A violência gera destruição, o amor e o perdão geram vida e amor.

"E, TENDO Jesus entrado em Jericó, ia passando.
E eis que havia ali um homem chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos, e era rico.
E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura.
E, correndo adiante, subiu a um sicômoro para o ver; porque havia de passar por ali.
E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa.
E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente.
E, vendo todos isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador.
E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado.
E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão"
Lucas 19, 1-9

Nesta passagem podemos ver como Jesus amou primeiro, não foi preciso acusar o pobre do Zaqueu, não foi preciso querer destrui-lo para que este mudasse de vida, Jesus apenas mostrou que precisava dele e que queria ser seu amigo. Em vez de destrui-lo como merecia, Jesus amou-o e o reino de justiça desceu àquele coração, o Zaqueu foi salvo naquele dia. Com esta passagem podemos entender a importância do uso de misericordia.

Para além disso ninguém neste mundo está livre de precisar de misericordia... Não podemos acusar e querer fazer justiça quando também nós temos os nossos podres. Temos o belissimo exemplo de um senhor que já não se encontra entre nós, o Papa João Paulo II, que após sofrer um atentado foi à prisão ter com aquele que o queria matar. Desta forma aquele homem assassino foi tocado pelo amor e também ele se arrependeu mudando a sua vida.

"Os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério;
E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando.
E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes?
Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra.
E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.
E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra.
Quando ouviram isto, redargüidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio.
E, endireitando-se Jesus, e não vendo ninguém mais do que a mulher, disse-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?
E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais."
João 8, 4-9

A misericordia é essencial na construção do Reino de Deus, a misericordia de Deus e a misericordia de nós uns para os outros...

Ver perfil do usuário

7 o primado em Qua 7 Maio - 8:14

Será o primado da misericórdia sobre a justiça,em derradeiro critério.Ou Mad ?


com uma condição.

O sermos misericordiosos. Wink

"Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia!" (Mt 5,7)

Ver perfil do usuário

8 Parte VII em Ter 13 Maio - 3:02

"Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus;
Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus"
(S. Mateus 5,1-16)

A revolução que Jesus proclamava para o interior de cada ser humano continua actual, continua a ser tão precisa como à dois mil anos. Jesus falava no Homem Novo, um homem que compreende a brevidade da passagem por este mundo, um homem que, consciente desta brevidade, aproveita a vida para alcançar o que realmente interessa alcançar. Só será feliz quem viver a vida pelo amor, pelo perdão, pela sensibilidade de perceber as máscaras que nós humanos pomos e ter a coragem de olhar para lá delas, onde se encontra o verdadeiro eu das pessoas, um eu tão frágil que contrasta com a imagem forte que queremos dar. Todos procuramos pequenas seguranças que vão dando sentido, faz parte do nosso processo de amadurecimento e de procura, mas é preciso que esse amadurecimento ocorra na totalidade para conseguirmos tocar no manto da fragilidade, lá no fundo do nosso ser, será neste toque que compreenderemos o verdadeiro, aquilo porque vale a pena lutar. Assim a verdadeira felicidade reconhece-se pela grande paz que se sente, uma paz que compreende, que aceita e que aponta o erro, não para deitar abaixo quem o practica mas sim para que o outro possa sair dos seus enganos. A verdadeira felicidade está em tocar a nossa fragilidade e aceitá-la e só assim comprenderemos que também o outro é frágil e que apenas se mascara com fortalezas de ser o melhor, de ser bem sucedido neste mundo.

Puro de coração é quem chega ao pleno conhecimento da nossa fragilidade, puro é aquele que nesta fragilidade que somos percebe que só há uma maneira de ser forte e que é amando. Sabemos que o mundo proclama fracos os que amam e que perdem muito tempo a pensar mais nos outros mas Jesus vem dizer que só quem consegue chegar ao amor é forte, forte porque teve a coragem de olhar para dentro, reconhecer a sua fragilidade, abrir caminhos entre os medos que nos habitam. Pois é, o homem procura sentir-se seguro, procura encontrar formas que o façam pensar que é forte e não frágil como realmente é, mas Jesus veio dar luz a esta escuridão, Jesus apontou-nos o amor como o propósito a que devemos chegar. É preciso escutar este Jesus, percebermos o que vai mal dentro de nós e que medos são estes que nos enchem tanto. Olhar para nós e aceitarmos que somos frágeis é doloroso, mas só assim estaremos aptos a mudar o nosso interior, a desviar os medos para alcançar a grande salvação do amor. Libertos dos medos estaremos livres para amar, amar por amar, sem esperar nada em troca, amar porque só amando alcançamos a verdadeira felicidade.

"Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu.
E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe)Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar."
(2Cor 12, 2-3)

Há muito que as pistas da felicidade foram lançadas, se queremos ser felizes teremos que ter esta coragem de olhar para além das máscaras, procurando o verdadeiro eu e o verdadeiro outro e então deixar o nosso coração falar, sempre com a mensagem de Jesus bem presente. Só assim chegaremos ao terceiro céu como S. Paulo dizia, o terceiro céu é um estado de graça concedido aos que ousam viver no amor.

"E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar.
Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim.
E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.
Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte."
(2Cor 12, 7-10)

Queres ser feliz?

Ver perfil do usuário

9 Parte VIII em Seg 19 Maio - 3:40

"Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;
Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós."
(S. Mateus 5,1-16)

A revolução do Justo pretende-se no interior do ser humano, mas não é uma revolução pacifica, embora seja alimentada pela paz. Não é pacifica porque temos que nos mudar, mudar as directrizes do nosso interior, tomar consciência das nossas fraquezas e isto requer auto ferir o nosso orgulho pois estaremos a admitir que não somos perfeitos e que precisamos mudar, e, ao mesmo tempo estaremos a ir ao contrário da corrente de ideias que nos aponta segurança noutros caminhos. Assim ao aderir a esta mudança chamada de conversão teremos que nos tornar muito humildes no sentido de que admitamos as nossas trevas, os nossos medos, as nossas tendências egoistas.

Mas depois deste passo dado apercebemo-nos de que o nosso interior mudou mas o mundo exterior continua o mesmo e aí sentimos grandes dificuldades em ser diferente num mundo que continua igual. É muito dificil manter a nossa ideia firme quando todo o exterior nos aponta outros caminhos e nos fala de procurar seguranças que sabemos ser secundárias neste processo, como a riqueza, o prazer imediato, o garantir um futuro neste mundo a todo o custo. Assumir uma conversão de vida é assim um processo muito dificil em que teremos de mudar as prioridades, não é um processo que se finalize num unico momento, é precisa toda uma vida para que ele ocorra no nosso interior, caminhando neste sentido um dia de cada vez.

Mas conforme vais caminhando neste sentido o mundo continuará a puxar-te, as consciências pesadas dos outros quererão que te cales, que não mudes, que permaneças entravado neste crescimento, apenas procurando sentido nas coisas que eles têm como certo e lógicamente fonte de alguma segurança. É aqui que começas a ser persuadido a desistir da conversão e, se insistires neste caminho o mundo começerá a querer-te calar a todo o custo, pois tu irás começar a ser a voz da consciência que eles querem calar a todo o custo. Este querer calar resume-se em violência, pode ser pequena como ser posto à parte ou pode ser grande se te perseguirem, se te insultarem, se te quiserem fazer mal, calar-te a todo o custo.

É por esta razão que ao longo dos séculos têm existido os perseguidos, o próprio Jesus nos avisou que a nossa conversão não ia ser fácil, mas que era necessário para a nossa felicidade que nos mantivéssemos integros neste caminho, firmes como um pinheiro numa noite de grande tempestade. É assim que o ódio dos silenciadores de consciências cresce, cresce a tal ponto que a violência contra nós pode ir a extremos, o que não falta são exemplos de mártires que se mantiveram firmes na sua conversão pessoal, agindo no mundo de acordo com a sua consciência, uma consciência transformada pelo amor. Felizmente que hoje em dia as formas de violência contra os justos são menores, passando mais pelo desprezo e por acusações, mas ainda os há, ainda há mártires de sangue que são silenciados pelo assassinato.

Mas Jesus diz-nos que felizes dos que presverarem nesta nova atitude de vida, porque a sua vida terá um sentido, servirá um propósito muito mais abragente e será fonte fecunda de uma nova realidade humana.

Ver perfil do usuário

10 Parte IX em Seg 19 Maio - 3:40

O Deus que Jesus nos veio revelar é um Deus de amor, de um amor profundo, de um amor tão grande que podemos dizer que Deus é doação, Deus é uma fonte inesgotável de graça que nada guarda para si, todo Ele se entrega, se dá, sem reservas. Assim Jesus tudo recebe do Pai, Jesus é a própria graça de Deus doada até à exaustão e por sua vez este Jesus nada guarda para si, tembém Ele se entregou e continua a entregar, a sua vida foi neste mundo e é no outro uma doação total e assim a graça está ao alcançe do humano através do Espiríto Santo. Uma dinâmica perfeita que exclui o egoismo, assente numa entrega total de amor. Tudo isto com o propósito de trazer a verdadeira felicidade aos homens, não para a dar assim sem mais nem menos, mas sim para que o homem possa aderir de livre vontade a receber o maior dos bens, a graça de Jesus Cristo, doada pelo Pai descida ao humano pelo Espiríto Santo. Jesus é a face do homem novo que Deus Pai quer ver nos seus filhos.

"Mas Jesus respondeu, e disse-lhes: Na verdade, na verdade vos digo que o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se o não vir fazer o Pai; porque tudo quanto ele faz, o Filho o faz igualmente.
Porque o Pai ama o Filho, e mostra-lhe tudo o que faz; e ele lhe mostrará maiores obras do que estas, para que vos maravilheis.
Pois, assim como o Pai ressuscita os mortos, e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer.
E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo;
Para que todos honrem o Filho, como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou.
Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida."
João 5, 19-24

Então como ser o homem novo? Que pistas nos são dadas para sermos o homem novo, abundante em vida e em graça? Onde procurar?

Jesus subiu aos céus, dizem-nos os Evangelhos e a primeira pista lá apontada é o Espiríto Santo, o dom de Deus totalmente doado aos homens para que estes alcançem a graça das graças, ser o homem novo, o homem livre, o homem capaz de um amor muito mais profundo. Mas sobretudo a grande pista que nos aponta o norte, a flor de lís que guia o cristão são as escrituras, a biblia sagrada. O Espiríto Santo ajudará mas temos de ser nós a dar o primeiro passo e este passo está na leitura e na meditação das sagradas escrituras. Neste livro não encontramos directrizes de vida muito directas, por isso é importante a meditação. Neste livro, principalmente no antigo testamento (Antes de Jesus Cristo) somos convidados a ler histórias da relação de Deus com os homens porque Deus é o Deus da relação, do dialogo, é um Deus que não abandona os homens à sua sorte mas que vive com eles, sofre com eles, alegra-se com as suas alegrias e chora com as suas tristezas. Assim torna-se muito util a leitura destas passagens que falam na relação entre Deus e os homens mas é importante que seja uma leitura meditativa. É preciso ler olhando a nossa vida, o mundo que nos rodeia, sem levar logo à letra tudo o que está lá escrito. É preciso ler meditando e rezando, construindo a nossa própria relação com Deus sem ter como certo o que lá está escrito mas questionado, reflectindo. Esta é a pista das pistas que nos podem guiar para o Homem Novo.

"E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.
Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus."
(Mateus 4, 3-4)

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum